Ocorreu um erro neste gadget
clique e alimente os peixes

III BNB Agosto da Arte fomenta reflexão sobre temas relevantes da arte contemporânea


O Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB), dentro da sua programação de Artes Visuais, realiza anualmente no mês de agosto, o evento especial III BNB AGOSTO DA ARTE nos CCBNBs-Fortaleza, Cariri e Sousa.
Com uma ampla programação, O III BNB AGOSTO DA ARTE afirma o compromisso cultural de contribuir no fomento à reflexão de temas relevantes da arte contemporânea, além de estimular o diálogo entre artistas, pesquisadores e a sociedade, criando um fértil fórum de debates.
O objetivo do AGOSTO DA ARTE é criar um ambiente propício para o fomento da produção local, aliado ao desejo de ver a arte como “o exercício experimental da liberdade”.
São proposições de ações focadas no processo artístico que possibilitem a interação entre artistas de outras regiões e a formação do artista local através de ações diretas e indiretas, colocando assim a produção local em discussão, numa troca de experiências com curadores e artistas visitantes.
O Agosto da Arte se constitui em uma importante ação do CCBNB para a atualização do debate e a criação do espaço necessário para deflagrar o potencial poético de cada subjetividade. Com ações deste porte, o CCBNB se coloca com o desafio de atuar para uma mudança efetiva da plena realização da Arte que se produz na região Nordeste do Brasil.
Para a edição 2009, o III BNB Agosto da Arte contemplará uma série de eventos nos diversos segmentos das artes visuais: intervenções urbanas, exposições, performances, cursos, oficinas, intercâmbio entre artistas e seminário avançado de arte.



CCBNB-Cariri


AÇÕES URBANAS


Projeto Jamac – Jardim Miriam Arte Clube
Período: de 25 a 29 de agosto
Reunião no dia 25, ter, 14h
Paulo Meira (SP) e artistas locais do Cariri
Paulo Meira, paulistano, 24 anos formado em Artes Gráficas, trabalha com design, ilustração e graffiti. Ingressou no Jamac – Jardim Miriam Arte Clube, em 2004. Trabalha com arte urbana e representou o Jamac em alguns lugares no Brasil e fora do país. Seus trabalhos pessoais atualmente são intervenções urbanas, trabalhando os temas da cidade em séries de estêncil.
Doze anos atrás, a pintora Mônica Nador, paulista de Ribeirão Preto, mudou radicalmente sua forma de tratar a arte. Evoluiu do apego pelas obras em si, para o sonho e a vontade de transformar a cidade numa espécie de grande tela. Regiões carentes tornaram-se seu endereço de trabalho e ela passou a pintar casas com a ajuda dos moradores. Instalada desde 2004 no Jardim Miriam, bairro da Zona Sul de São Paulo, criou, ao lado de outros artistas, o Jamac, sigla para Jardim Miriam Arte Clube.
Desde 1998, o Jamac vem trabalhando em comunidades desenvolvendo oficinas de criação de estênceis e sua aplicação em paredes. Muitas vezes, pintando grupos de casas em vários pontos do país e até mesmo em Tijuana, no México. A ideia é realizar trabalho semelhante junto com os artistas e a comunidade local de Juazeiro do Norte (CE).
O BICHO André de Andrade (Juazeiro do Norte – CE)
Quarta, 12 de agosto
Horário: 11 às 18h
Performance dramática do poema “O Bicho”, de Manoel Bandeira, realizada nos restaurantes e comedorias da cidade de Juazeiro do Note, provocando uma reflexão ante ao momento em que as pessoas estão se alimentando, enquanto outras se encontram na sarjeta, procurando, no lixo, alimento para sua sobrevivência.
COSMOCONSUMO
Artista: Joseph Olegário
Quarta, 12 de agosto
Horário: 15h
Querer é poder? Absolvidos pela vontade e desejo através da posição de querer sempre e buscar o tempo todo. Dentro desse contexto a obra vem contradizer o que se quer, colocando o espectador no ponto da discussão do ter e não ter, satisfazer ou não.
Encontro de DERLON e a gravura do Cariri
Período, 18 a 22 de agosto
Nas ruas de Recife, assim como na galeria, Derlon insere imagens criadas a partir da gravura popular. Pássaros, sereias e dragões são alguns dos seres que reinventa e lança nos muros da cidade e em construções abandonadas. Estas figuras, ora pintadas sobre parede ora pintadas diretamente na parede ora pintadas sobre papel, são recombinadas pelo artista em diferentes configurações, aproximando-o do universo da gravura do Cariri.
OFICINA DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA
Laboratório de Multimeios – Experimentações para a Comunicação Visual-Sonora-Escrita-Corporal
Período: 11 a 15 de agosto
Horário: 18h às 21h
Professor: Ricardo Peixoto (PB)
Ricardo Peixoto é artista multimídia, arte-educador, jornalista, fotógrafo, curador e produtor cultural. Um dos fundadores do Grupo Traficante de Imagens na década de 1990 em João Pessoa (PB). Fundador do Movimento Conspiração Cultural (2004/2009), curador do Museu da Imaginação (1989-2009). Com participação em salões e festivais nacionais e internacionais, seu trabalho integra importantes acervos e coleções de museus, instituições, universidades, fundações e galerias do Brasil, Argentina, França e Áustria.
Expansão no processo de criação do indivíduo, utilizando a linguagem das mídias contemporâneas como forma de conhecimento da expressão artística. Informações, conceitos, questionamentos e atitudes direcionados ao estudo da arte.
Através de exercícios sensoriais, amplia-se o contato direto com as sensações e emoções das pessoas, e fortalece-se a troca livre da informação.
No laboratório de multimeios as linguagens visual, escrita, sonora e corporal surgem com a proposta de construir, experimentar novas possibilidades de expressão. São ações criativas e inusitadas que provocam inquietações, fazem pensar, projetam o coletivo consciente-inconsciente e interferem no espaço urbano-humano-social criando um diálogo com o eu-público.
EXPOSIÇÃO
Vestidas de Branco
Período: 01 a 29 de agosto, 5º andar
Artista: Nelson Leirner (SP)
Curadoria: Moacir dos Anjos (PE)
O tema da exposição Vestidas de Branco trata da visão singular que o artista Nelson Leirner lança ao mundo. Olhar que é ao mesmo tempo amoroso e crítico. O humor é que predomina nas criações do artista e é ele quem as faz originais e potentes. Pode-se dizer que o artista cria 'brincadeiras' que atingem e ativam a consciência do público, levando-o a refletir sobre os modos de convivência com seus semelhantes.
CURSO DE APRECIAÇÃO DE ARTE
Aproximações da Escrita da Arte
Professora: Cristiana Tejo (PE)
Período: 02 a 05 de setembro
Horário: 15h às 18h
Inscrições: de 01 a 15 de agosto, por meio de carta de intenção e currículo
Público alvo: estudantes e professores de artes visuais, artes cênicas, filosofia, história, arte-educação, sociologia, literatura, letras e jornalismo.
Com o objetivo de voltar-se às demandas mais urgentes para o aprimoramento e a democratização do ensino, o CCBNB e a Fundação Joaquim Nabuco iniciam uma parceria de formação em artes visuais para a região do Cariri com o curso “Aproximações da Escrita da Arte”. O curso pretende aproximar as artes visuais com outros campos do conhecimento por meio da participação de alunos, professores e pesquisadores de História, Filosofia, Artes Cênicas, Sociologia, Literatura e Jornalismo. O curso pretende ser um exercício de narrativas sobre os processos artísticos contemporâneos.
CCBNB-Sousa
OFICINA DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA

Fanzine
Período: 19 a 26 de Agosto, às 18h
Horário: 18h
Profº. Fernanda Meireles (CE)
Fernanda Meireles é professora e fanzineira graduada em Letras e especialista em Arte-Educação. Há mais de 10 anos, ela pesquisa, produz e trabalha com fanzines através de oficinas nos mais diversos formatos. Escritora e artista visual cuja base do trabalho é a palavra em objetos portáteis feitos para estabelecer vínculos entre as pessoas, é diretora da ONG Zinco – Centro de Estudo, Pesquisa e Produção em Mídia Alternativa e trabalha atualmente no Centro Cultural Bom Jardim, em Fortaleza.
O fanzine (ou zine) é um objeto misto de obra de arte e veículo de comunicação. Quem cria um zine decide tudo: tema, tom, formato, linguagem visual, se será formal ou informal, público, se vai ter utilidade pública e qual é a forma de reprodução e distribuição. Zines correm por fora do circuito oficial e, no entanto, muitas vezes são fundamentais para a formação das bases de um olhar e de uma prática artística individual que continuamente estará em transformação. Também é através dos zines que redes de colaboração criativa, comunicação e estudo autodidata se formam. Quantos artistas (de diversas áreas) não passaram pela experiência de brincar com a máquina de xerox com experimentações e/ou multiplicação de suas obras ainda em estado de maturação? Através desta oficina com artistas, arte-educadores e interessados, mergulharemos no mundo dos fanzines através do contato direto, de discussões e da produção coletiva de dois fanzines.
AÇÕES URBANAS
Lotes Vagos – Ação Coletiva de Ocupação Urbana
Breno Silva (MG), Louise Ganz (MG) e artistas locais
Período: 11 a 15 de Agosto
Reunião no dia 11, às 14h
Proposta de reconfiguração do espaço urbano, a partir de vários usos que pode ser dado a esses espaços. Desestabiliza as noções de propriedade privada e possibilita ao público participar da produção do espaço da cidade de modo ativo. Instiga nas pessoas o desejo de realizar experiências autônomas diversas. Deixa evidente o caráter sociopolítico da proposta, numa microescala, haja vista que as pessoas passam a pensar e agir na cidade de outras maneiras, enxergando as várias possibilidades de transformações dos espaços onde habitam.
EXPOSIÇÃO
"Re-mix" de Peças Erradas. Bando.
Abertura: 08 de agosto, às 19h
Período da exposição: 08 de agosto a 12 de setembro de 2009
Artistas: Carol Landim, G., Jânio Tavares, Dinho, Maria Dias e Orlando Pereira (Juazeiro do Norte-CE)
Arte na rua, de rua, das ruas para a galeria. Relações (de poder) entre espaços / arte / artistas / público (transeunte). Diálogo-relações entre os vários elementos constitutivos do “acontecimento” artístico.
Histórias de Pescador
Abertura: 08 de agosto, às 19h
Período da exposição: 08 de agosto a 12 de setembro de 2009
Artista: Lilia Tandaya (PB)
Curadoria: Ricardo Peixoto (PB)
Fotografias de Lilia Tandaya que apresentam um olhar sobre a atividade dos pescadores em alguns estados do Brasil, abordando não só aspectos documentais como também interpretações artísticas, provocadas com manipulação digital da saturação de cores, contraste, luminosidade, intensidades e formas.




CCBNB-Fortaleza


SEMINÁRIO AVANÇADO DE ARTE
Percepções Contemporâneas da Cidade
1º dia
Arte Pública – Um Novo Mapa Simbólico da Cidade
Terça, 04 de agosto
Horário: 18h30 às 19h30
Apresentador: Paulo Knauss (RJ)


Professor do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense (UFF), onde integra o grupo de pesquisa do Laboratório de História Oral e Imagem. Diretor-Geral do Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro. No campo da pesquisa, trata das relações entre Arte e Patrimônio, Memória e História. A escultura pública no Brasil é objeto da maior parte de seus trabalhos publicados, entre eles o livro sob sua coordenação “Cidade vaidosa: imagens urbanas do Rio de Janeiro”.
O trabalho pretende discutir os sentidos da arte pública na atualidade, identificando os rumos da escultura contemporânea e do grafite urbano. Inicialmente, pretende-se demonstrar que a arte pública marca as cidades contemporâneas no Brasil. Em seguida, trata-se de apontar como o campo da arte pública contemporânea é marcado pela diversidade de expressões, caracterizando-se como um universo plural. Nesse sentido, no campo da escultura é possível reconhecer diversas soluções contemporâneas, variando entre soluções coloquiais e abstratas. Há também as manifestações de arte comunitária, além do grafite e da pichação, que chamam atenção nas cidades. Desse modo, a arte pública vem ocupando espaços diversificados da cidade, propondo um novo mapa simbólico da cidade. Ao final, trata-se de apontar como a arte pública na atualidade propõe percepções contemporâneas da cidade que valorizem olhares íntimos para descobrir a vida urbana.


O Corpo Ubíquo: da Presença do Corpo na Arte Atual
Terça, 04 de agosto
Horário: 19h30 às 20h30
Apresentador: Wellington Jr. (Integrante do grupo Balbucio) (CE)


Mesmo não sendo possível pensar qualquer fenômeno estético prescindindo da presença de um corpo – a arte trata-se sempre de um processo semiótico e, portanto, de uma consciência afetada, seja no polo da emissão ou da recepção –, é necessário averiguar o novo lugar do corpo (tema, suporte, matéria...) nas artes a partir das transformações ocorridas, desde o final do século XIX, nos mais diversos campos da vida humana, seja na ciência (medicina, psicanálise, antropologia), na filosofia, mas especialmente no que tange às novas sensibilidades aí implicadas. Neste sentido, o desenvolvimento da performance no campo da arte durante todo o século XX e seu recrudescimento na prímeira década deste século mostram-se como o objeto natural de uma leitura crítico-analítica da presença do corpo na arte atual.


2º dia
Novas Estruturas para Criadores Emergentes
Quarta, 05 de agosto
Horário: 18h30 às 19h30
Apresentador: Casa da Xiclet Galeria (SP)


São Paulo se identifica hoje como o principal circuito das artes no Brasil. A cidade comporta grandes exposições nacionais e internacionais, além de sediar as maiores e melhores Galerias do País. Contudo, estes circuitos culturais e as estruturas disponíveis estão, ainda, longe de conseguir dar uma resposta totalmente eficaz aos elevados níveis de produção criativa que emergem. Em larga medida, esta realidade deve-se à excessiva dependência do suporte financeiro estatal e à quase inexistência de um sistema de patrocínios. Decorre desta constatação a necessidade de conceber uma nova bolsa de ar fresco, ao nível de investimento, que renove a realidade da criação contemporânea brasileira. As soluções para este problema podem passar pela concepção de novos modelos e novas estruturas capazes de estabelecer desafios inovadores e contribuir para uma maior profissionalização dos criadores emergentes, que se confrontam com a falta de espaços expositivos.


CASA DA XICLET


A Casa da Xiclet há quase oito anos se assume como agente cultural ativo e independente, cujo objetivo é contribuir para sanar a óbvia carência de espaços expositivos para criadores emergentes. A intenção é fornecer alternativas de difusão, contribuindo para a formação de uma nova geração de artistas, atuando também como uma espécie de laboratório.
Possibilidades Poéticas de Atuação
Quarta, 05 de agosto
Horário: 19h30 às 20h30
Apresentador: O Acidum (CE)
Na estética errática dos ambientes reconhecidos como “Metrópoles”, surgem as pesquisas com pinturas murais, desenho, design, vídeo e sons, que se alimentam das manifestações e codificações tanto gráficas como relacionadas às massas. Em tentativas de subverter a suposta beleza midiática, estratégias da arte de rua – como grafite, cartazes e stickers – são apropriadas, recodificando a poluição visual e informativa gerada dos resultados dessas relações.
O Acidum baseia fundamentalmente seu fazer artístico em estruturas acessíveis ou inabitadas, subvertendo as noções de espaços reconhecidos como áreas estéreis, tanto no âmbito museológico como no baldio. Nestes espaços, o Grupo tenciona alcançar possibilidades poéticas de atuação, seja pela arquitetura, seja explorando o próprio peso simbólico que tais lugares carregam em seus campos de visualização e trânsito, e criando microuniversos que exercitam uma intrínseca relação entre obra-espaço-observador.
Nestes processos, constrói-se um trabalho que busca, de pura consciência, manipular as características simbólicas e representativas que as técnicas utilizadas carregam em si.
Assim, o grupo Acidum, entre um repertório de seres absurdos, desenvolve jogos referenciais, propagandas insanas, lendas urbanas, grafias desordenadas e cenários entorpecedores, desdobrados a partir de um processo ritual de criação e produção.


O ACIDUM


É um coletivo que tem como linha geral de trabalho a adaptação de seu processo artístico aos ambientes escolhidos, desenvolvendo um trabalho que explora, experimenta e se processa a partir do caos das paisagens e relações urbanas, choques e trânsitos culturais diversos.
Arte Pública – Uma Estética Participativa
Quarta, 05 de agosto
Horário: 20h30 às 21h30
Apresentador: Herbert Rolim (CE)
Artista plástico premiado, com obras em acervos e participações em exposições individuais e coletivas no Brasil e exterior. Professor do Curso de Licenciatura em Artes Visuais do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFET-CE), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Ceará e doutorando em Arte/Educação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Autor do livro “Arte Anfíbia: o Caso Otacílio de Azevedo”, onde teoriza a origem, a formação e as articulações processuais da obra de arte de natureza anfíbia, em que expressões verbais e visuais se intra e inter-relacionam.
Herbert Rolim discorrerá sobre Arte Pública, como a entendemos hoje, levando em conta o contexto histórico, sociopolítico e cultural dos espaços de intervenção urbana, sob a perspectiva de uma estética participativa de aproximação entre arte e vida. Sua fala focará a experiência Praça/Casa proposta pelo Grupo Meio Fio de Pesquisa e Ação como prática reflexiva urbana.


3º dia
A Rua como Suporte
Quinta, 06 de agosto
Horário: 18h30 às 19h30
Apresentador: Márcio Almeida (PE)


Márcio Almeida é artista com obras na Pinacoteca de São Paulo, Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP) e Museu Santa Catarina. Participou da Documenta 12 – Kassel, na Alemanha, e da Bienal de Valencia, na Espanha, em 2007. Também é gestor cultural e coordenador da Semana Pernambucana de Artes (SPA), evento que envolve debates e intervenções urbanas na cidade de Recife (PE).
Durante a década de 1970, mesmo sobre o olhar sombrio da ditadura, o Recife viveu um momento importante no circuito das artes visuais, especialmente no que diz respeito à arte conceitual e ao experimentalismo. Durante esse período, dois artistas foram de fundamental importância para a formação de outros artistas e coletivos que viriam a surgir na cidade na década seguinte. Paulo Bruscky e Daniel Santiago realizaram ações, mostras, performances, festivais e possibilitaram a vinda, para a cidade, de artistas e obras importantes da vanguarda da arte nacional e internacional, como Christo, Regina Vater, Hélio Oiticica e José Roberto Aguilar, entre outros.
No início dos anos 1980, surgiram vários agrupamentos de artistas, sendo os primeiros “As Brigadas“, que buscavam uma participação efetiva no campo político da cidade. Realizaram inovadoras formas de propaganda política eleitoral, driblando a censura (Lei Falcão) estabelecida a tais propagandas. Esses encontros estimularam o surgimento de vários grupos e coletivos de jovens artistas que passariam a utilizar as ruas como suporte para suas produções, dessa vez com práticas mais conceituais. Essa aproximAÇÃO foi fundamental na reestruturação do circuito local de artes visuais, ampliando as fronteiras da produção e da experimentação.


A Cidade como Espaço para a Arte


Quinta, 06 de agosto
Horário: 19h30 às 20h30
Apresentador: O Poro (MG)



O Poro é uma dupla de artistas formada por Brígida Campbell e Marcelo Terça-Nada!, que atua desde 2002 realizando ações poéticas, irônicas e/ou de cunho político. Através da realização de intervenções urbanas e ações efêmeras, o Poro procura levantar questões sobre os problemas das cidades e busca uma ocupação poética dos espaços. Seus trabalhos buscam apontar sutilezas, criar imagens poéticas, trazer à tona aspectos da cidade que se tornam invisíveis pela vida acelerada nos grandes centros urbanos – além de refletir sobre as possibilidades de relação entre os trabalhos em espaços públicos e os espaços institucionais, lançar mão de meios de comunicação popular para realizar trabalhos, reivindicar a cidade como espaço para a arte. Além do Brasil, o Poro realizou intervenções e participou de eventos, exposições e debates em outros países, como: Índia, Espanha, Holanda, Eslovênia e Áustria. Veja mais no site: http://www.poro.redezero.org/.


Panorama da Arte em Espaços Independentes


Quinta, 06 de agosto
Horário: 20h30 às 21h30
Apresentadores: Lucas Ribeiro-RS e Ana Ferraz-RS (NOZ.ART)


Lucas Ribeiro, 30 anos, é jornalista, formado pela Unisinos (RS) e por quatro anos foi editor e redator da revista eletrônica de skate e cultura urbana Qix News, até 2007 funcionando como um dos maiores portais de informação desse segmento no mundo. Lucas também é conhecido pelo seu trabalho no vídeo Skatismo, do qual é sócio-fundador. Esse vídeo de skate de distribuição gratuita foi inovador pelo fato de abranger mais do que manobras, incluindo arte urbana e música independente como diferenciais em suas edições. Como sócio-fundador da Galeria Adesivo, espaço de arte que existiu de 2003 a 2009, em Porto Alegre, Lucas trabalhou na produção e curadoria de mais de 25 exposições com artistas nacionais e internacionais.
Ana Ferraz, 25 anos, é publicitária, formada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), com passagens pelos cursos de jornalismo, ciências sociais e artes visuais. Trabalhou por três anos e meio em agências de Porto Alegre, fazendo direção de arte para clientes como Lojas Renner, Fundação Getúlio Vargas, Pepsi e Tubozan, entre outros. Ana também desenvolve um trabalho paralelo de ilustração, chamado iwannagoaway, que inclui ilustrações editoriais e de produtos.
Grande parte das expressões visuais ligadas a subculturas urbanas como punk, hip hop, graffiti e skate surgiram e se refinaram em um universo paralelo ao da arte institucionalizada – essa arte que é perpetuada pelo meio acadêmico, grandes museus, galerias, casas de leilões e todo um mercado específico. No cenário alternativo surgiram galerias de arte, publicações especializadas e outras vias de sustento econômico para os artistas, diferente da venda de obras, como o trabalho em conjunto com marcas que lançam tênis, pranchas de skate e camisetas com suas artes, entre outros produtos. Agora, vários artistas com essas raízes no underground – boa parte deles autodidatas – estão entrando ou sendo absorvidos por grandes galerias do circuito comercial, enquanto, por outro lado, galerias alternativas passam a suprir grandes colecionadores de arte. Esses dois universos, underground e mainstream, antes paralelos, agora interagem e transformam um ao outro. Um exemplo sintomático do que está acontecendo no mundo pôde ser visto recentemente na fachada da notória Fundação Cartier, em Paris, que recebeu a intervenção da artista brasileira mais “cara” da atualidade, Beatriz Milhazes. Pouco depois, em outra exposição, a mesma Fundação foi oficialmente pichada pelo pichador paulista Cripta. O fenômeno é global, mas o Brasil tem uma participação muito particular que ainda é pouco entendida dentro e fora do país, apesar do sucesso internacional de artistas como OS GÊMEOS, Herbert Baglione e Bruno 9li. No III BNB Agosto da Arte o curador/galerista/jornalista Lucas Ribeiro e a publicitária/produtora/jornalista Ana Ferraz, sócios do estúdio criativo NOZ.ART, de Porto Alegre (RS), vão aprofundar a percepção sobre esse panorama através das suas experiências, tanto com a produção de exposições de arte em espaços independentes, quanto pela documentação desse cenário vibrante para veículos de comunicação nacionais e estrangeiros.


4º dia
Leitura de Portfólios de Artistas
Sexta, 07 de agosto
Horário: 15h às 18h
Apresentadores: Lucas Ribeiro-RS e Ana Ferraz-RS (NOZ.ART)


O NOZ.ART é uma empresa situada em Porto Alegre, criada por Lucas Ribeiro e Ana Ferraz, e que tem como principal foco o desenvolvimento e a fomentação de novos talentos nas artes, especialmente de artistas ligados a diferentes subculturas, como quadrinhos independentes, skate, punk e toda a estética do “faça-você-mesmo”.


AÇÕES URBANAS


Des-Invisível – Intervenção Visual
Grupo: Laboratório de Arte Pública – LST (Alisson Carreira, David da Paz, Geovani Calixto e Renato Soares-CE).
Terça, dia 04 de Agosto
Horário: 09h
Local: Esquina da Rua Assunção com Duque de Caxias.


Os projetos propostos e executados pelo Laboratório de Arte Pública – LST sempre se relacionam com a sociedade e estão diretamente influenciados pela realidade que rodeia o ambiente imediato. Como é o caso de “Des-Invisível”, que se trata de um projeto de intervenção artística e educativa no espaço público urbano. O projeto reflete, de alguma maneira, esta realidade e se vale da fotografia, do design gráfico e da colagem para interferir nos espaços da vida.
“Des-Invisível” analisa e denuncia de maneira provocativa a atual situação de crianças e adolescentes que são obrigados a passar os dias nas ruas mendigando, vendendo bombons e, às vezes, vendendo o corpo, para gerar alguma renda para si e para a família.
A idéia é fotografar estas crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social e pessoal, depois interferir nas fotografias, criando silhuetas destas crianças e adolescentes, para, logo em seguida, colar estas imagens (em grande escala: 140 cm x 90 cm) no mesmo espaço em que as fotografias foram feitas (em ponto próximo ao CCBNB).

Nenhum comentário:

Fale conosco e tenha sua publicidade