Ocorreu um erro neste gadget
clique e alimente os peixes

O Mastigador de Vanguardas . Por Gisele Kato


O russo Marc Chagall incorporou diversas tendências da arte europeia e, a partir delas, criou uma obra totalmente original. Seu estilo é tão marcante que ninguém ousou fazer algo parecido.
Um episódio perdido na trajetória do russo Marc Chagall (1887-1985) é a chave para a entrada em seu universo de noivas flutuantes e bichos equilibrados em telhados. Aconteceu quando o pintor era comissário das artes em sua cidade natal, Vitebsk. Empolgado com a chance de levar à nova Rússia comunista os ideais das vanguardas europeias, o artista inaugurou uma escola em 1918 e chamou o também russo Kazimir Malevich para integrar o corpo docente. Em pouco tempo, o colega seduziu os alunos com suas figuras geométricas simplificadas ao máximo, pedras de toque da escola conhecida como suprematismo. O famoso quadrado negro sobre o fundo branco de Malevich foi interpretado pelos jovens revolucionários como um caminho rápido para a transformação visual que tanto perseguiam. Diante da força e simplicidade do suprematismo, a popularidade de Chagall, com sua linguagem de excessos, perdeu força dentro da luta bolchevique. Em 1920, bastante magoado, ele abandonou o cargo em Vitebsk, deixando espaço para Malevich, inventor de uma proposta estética praticamente oposta à sua. Chagall seguiu para Moscou, onde começou logo a produzir sete grandes painéis para o Teatro Yiddish. Em um dos trabalhos, pintou um quadrado negro, em uma referência clara ao movimento preconizado pelo recente rival. Ver a homenagem como um gesto incoerente do artista é, no entanto, um equívoco. A citação, na verdade, resume o espírito de toda a sua obra.

Com o painel A Música, Chagall dizia que estava atento às inovações artísticas da época, mas que não iria endossá-las por completo. Durante os mais de 60 anos de carreira, o pintor flertou com muitos grupos modernos, observou com atenção o que surgiu no período, mastigou as ideias lançadas e devolveu tudo na forma de telas, gravuras e esculturas absolutamente originais. Por isso, é tão fácil reconhecer uma criação sua. E, por isso, seu legado provou-se tão singular. Ao mesmo tempo em que o artista se manteve antenado com as correntes artísticas de sua época, desenvolveu um estilo pessoal, quase impossível de ser seguido. Como uma referência a Chagall sempre corre o risco de se tornar uma imitação barata, as gerações seguintes o admiram, mas não são diretamente influenciadas por ele — o que, de modo algum, tira seu lugar entre os protagonistas mais geniais da arte do século 20. Esse percurso de certa forma "alternativo" no rígido mundo das vanguardas modernas fica evidente na mostra O Mundo Mágico de Marc Chagall — O Sonho e a Vida, que a Casa Fiat de Cultura, em Belo Horizonte, recebe neste mês — e que, em outubro, segue para o Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro.

Com 275 gravuras, duas esculturas e 26 pinturas, todas inéditas no Brasil, esta é a maior exposição do artista já vista no país desde a sala especial na 4ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1957. O conjunto, vindo de instituições russas e suíças, além de coleções particulares, convida o público a se entregar a uma atmosfera única, bela no sentido mais genuíno da palavra. E encantadora como só a imagem de uma cabra tocando violino ou um peixe voador podem ser. "Chagall é um caso curioso porque é um artista de expressão extraordinária, mas que não deixa escola. Sua influência na arte é muito pequena. E, mesmo assim, ele tem uma presença definitiva na produção moderna", diz o curador Fábio Magalhães, que, para a individual, garimpou obras do pintor russo ao longo de dois anos. Embora concorde que não exista um herdeiro assumido de Chagall, o curador optou por sugerir ainda aproximações com alguns artistas brasileiros, como Ismael Nery e Cícero Dias. "Mas o próprio Cícero negou a vida inteira ter qualquer relação com Chagall", ressalta. Para Magalhães, o mestre russo construiu um repertório com tamanha personalidade por contar, a seu favor, com uma circunstância histórica: "Ele teve a sorte de viver em um momento incrível e soube ser sensível a esse tempo". Chagall, assim, teria sido uma espécie de mastigador de vanguardas.

EUROPA E RÚSSIA

Chagall pisou na França pela primeira vez em 1911 e, entre idas e vindas a Paris, conviveu com uma avalanche de pensamentos que interfeririam nos sonhos e ilusões de muitas décadas posteriores. Logo quando chegou à capital francesa, ele foi morar no lendário prédio La Ruche, no bairro de Montparnasse. Com aluguel barato, o endereço funcionava como albergue para jovens artistas ainda em busca de reconhecimento. Nomes como os dos poetas Guillaume Apollinaire e Blaise Cendrars e dos pintores Fernand Léger, Amedeo Modigliani e Constantin Brancusi estavam entre seus vizinhos. O La Ruche somava-se, na época, ao Bateau-Lavoir, edifício no bairro operário de Montmartre, onde ficava o ateliê de Pablo Picasso, para fazer de Paris o centro artístico do mundo. Lá, Chagall aprendeu a questionar as regras estéticas estabelecidas, experimentou as premissas do cubismo, do fauvismo e do expressionismo e intensificou sua relação com a poesia e com a literatura. Foi moldando, assim, uma plástica própria, misto de tudo o que borbulhava ao redor.

Além do privilégio de assistir e se envolver com o surgimento dos novos movimentos da arte, Chagall se beneficiou de um período de interesse voltado para as culturas russa e judaica. Como mais uma das coincidências felizes de sua vida, isso ocorreu logo após a Primeira Guerra Mundial, quando ele estava de volta à Rússia. Nascido em uma comunidade judia de Vitebsk, o artista soube tirar vantagem de sua origem e adaptar as lições da tradição às causas da modernidade. E isso se deu em várias camadas: "Ele é o artista oficial do judaísmo até hoje, mas suas criações englobam também noções cristãs", diz Magalhães. Chagall pairou acima das tendências sem, no entanto, ignorar nenhuma delas. As cores vibrantes de suas telas têm muito da arte popular russa. O clima leve e alegre das composições revela plena sintonia com a dissidência hassídica do judaísmo, que pregava o êxtase no encontro com Deus.
VACA NO TELHADO

Se até os anos 20 essa combinação original se concentrava nas telas, depois o artista direcionou seu talento também para as gravuras. O curador da exposição em Belo Horizonte iguala a importância dos dois suportes na carreira de Chagall: "Diria até que nessa época de maturidadea gravura ocupa um papel mais importante do que a pintura em seu trabalho. Ele renova e cresce muito no domínio da técnica", diz Magalhães. Amigo de vários escritores, Chagall sempre fez ilustrações. Após o período na Rússia, na Primeira Guerra, ele voltou a Paris já como talento reconhecido e se dedicou com mais afinco à tarefa, muitas vezes sob encomenda de marchands e galeristas bem-sucedidos, como Paul Cassirer e Ambroise Vollard. Ele apostou primeiro na gravura em metal e, nessa fase inicial, assinou pelo menos três séries importantes: Les Âmes Mortes (As Almas Mortas), baseada na obra de Nicolai Gógol e apresentada em 1923; Fables (Fábulas), feita entre 1926-1927 para as fábulas de La Fontaine; e La Bible (A Bíblia). No último conjunto, executado entre 1931 e 1939, o artista, que costumava criar em guache e transferir para a matriz de metal, começou a sentir dificuldade em obter os mesmos resultados de cor planejados na aquarela. "Por isso, encontramos gravuras em metal coloridas depois à mão por ele", diz Magalhães. Na mostra montada no Brasil, estão os conjuntos completos de La Bible e Les Âmes Mortes, além de exemplares das Fables. Junta-se à seleção a série inteira de litogravuras Daphnis et Chloé, baseada no idílio pastoral da Grécia antiga e finalizada nos anos 60. Com os exemplares tirados de matrizes de pedra, Chagall obteve as tonalidades desejadas.

A preocupação com as cores ganha mais sentido quando se vê sua obra como uma espécie de fábula, visão defendida pelo crítico italiano Giulio Carlo Argan. Para ele, Chagall subverteu planos, quebrou parâmetros espaciais e chegou a uma perspectiva inédita, em que situações a princípio absurdas acabam se passando como cenas naturais. Vacas vermelhas andam em telhados? Diante de um trabalho de Chagall, é possível acreditar que sim. Ante suas telas, fazem-se ainda as pazes com a arte bela, vítima do preconceito da vanguarda segundo o qual essa proposta estética seria menor, mais fácil de produzir. Uma obra de Chagall convida a um comentário na linha "gosto disso e não sei bem explicar por quê". Isso basta. Ele é a prova de que beleza, inovação e talento podem caminhar juntos.


Por: Gisele Kato

Fonte: Revista Bravo Postado

por: Alessandra Bandeira

Um comentário:

Chrystian Marques disse...

Alessandra, simplesmente ótima a matéria que vc postou sobre um dos grandes artistas ,Chagall de quem sou amante do seu trabalho. Seu trbalho pictórico é algo surpreendente. Excelente matéria. Era o que esperava acontecer aqui no artesvisuaiscariri o qual somos construtores da arte cariri inspirados na história da arte.

Valeu

Fale conosco e tenha sua publicidade